Select Page

Sintomas de COVID em crianças, o que precisamos saber?

Fev 5, 2022

Depois de quase dois anos de pandemia, a sexta onda e a nova variante Ómicron, deixam-nos novamente muitas dúvidas, e nestes últimos dias, não paro de receber perguntas sobre os sintomas que o vírus produz nas crianças e que temos de ter em conta, por isso vamos diretos ao problema.

O que parece que temos claro é que, em geral, as crianças passam pela infeção com sintomas mais leves que os adultos, tal como já acontecia com as variantes anteriores. E, de facto, as evidências dizem-nos que pouco mais de 99% das crianças entre os 5 e os 11 anos passam pelo COVID com sintomas leves, e destas, aproximadamente 50% não desenvolvem sintomas. E outra boa notícia também são os dados sobre o internamento, ou seja, menos de 1% requerem internamento hospitalar.

No que diz respeito aos sintomas, os mais comuns são a tosse e o nariz a escorrer, algo que os pais das crianças em idade escolar acham mais do que comum, certo? . Além disso, por ordem de frequência podemos encontrar fadiga, dor de garganta, dor de cabeça, dor muscular, espirros, febre, apetite reduzido, dor abdominal… sintomas que durarão aproximadamente entre 2 e 4 dias.

Lendo até aqui, já pode ter a ideia de que é praticamente impossível distinguir os sintomas de uma constipação comum, da infeção por COVID, sendo a realização do teste a única forma de detetar a infeção. Por isso, as recomendações continuam, ante estes sintomas, a ser a não deslocação à escola, isolamento e fazer o teste de rastreio para excluir a infeção.

E se o seu filho tem estes sintomas, e o teste der positivo, deve ser visto por um médico? Não, não necessariamente. Como comentámos na grande maioria dos casos, os sintomas serão leves, e podem ser geridos em casa, com antipiréticos e/ou analgésicos (paracetamol ou ibuprofeno, são os mais utilizados) em caso de necessidade. Se, mesmo assim, tiver dúvidas sobre que medicação pode administrar ou as doses, não hesite em contactar o pediatra, e esclarecer as dúvidas. O mais comum é que, em 2 a 4 dias, o seu filho esteja como novo.

Em suma, parece que globalmente podemos estar calmos sobre a gravidade dos sintomas e geri-los a partir de casa, mas não posso deixar de enfatizar os sinais de alerta, para os quais devemos consultar o pediatra:

  • Se observarmos dificuldade para respirar (respiração rápida, vê costelas marcadas ou nota sons respiratórios).
  • • Se começou a vomitare os vómitos são muito frequentes, se não tolera nem água, soro ou leite, no caso de estar a amamentar.
  • • Se um bebé se recusar alimentar-se, ou se uma criança mais velha estiver tão deprimida que não queira comer ou beber nada.
  • • Se vir mudanças ao nível da vitalidade da criança (ela está muito deprimida, não quer jogar, é-lhe difícil estar atento ao que lhe dizem ou responder…)

Depois de passar a doença, vários pais perguntaram-me, assustados, sobre a existência de COVID persistente também em crianças. É verdade que, com as variantes anteriores, foram detetados casos de COVID persistente, mas com a variante que é hoje predominante ainda é muito cedo para tirar conclusões. Uma vez que, para fazer este diagnóstico, devem ter passado pelo menos 4 semanas, ou mais, desde o início dos sintomas, e faz pouco mais que esse tempo que a Ómicron é a variante predominante no nosso país. Por outro lado, parece que o COVID persistente tem sido, até agora, mais comum no grupo de adolescentes do que em crianças mais novas, e neste momento esta faixa etária é a que tem mais cobertura de vacinação, pelo que se espera que os casos sejam reduzidos.

Esperemos que, como já se houve dizer, este seja o início do fim e possamos dar lugara algo mais parecido com a nossa vida anterior, por enquanto, precisamos continuar a cuidarde nós mesmos e dos outros.

Pode ainda ler: VACINA DO COVID E CRIANÇAS, AINDA TEM DÚVIDAS?

banner nursicare

Otros blogs

28 - Fev - 2022

Fissura na base do mamilo: porque ocorre?

Uma fissura na base do mamilo é uma das razões mais comuns para que uma mãe deixe de amamentar. A dor pode ser tão intensa que algumas mulheres optam por usar medicação para acabar com a amamentação. No entanto, existem remédios para os curar rapidamente para que o seu bebé possa continuar a...

26 - Fev - 2022

Primeiros socorros, em crianças com mais de 1 ano de idade

Os primeiros socorros são um conjunto de ferramentas que nos permite agir em determinadas situações e oferecer cuidados iniciais até que, se necessário, chegue ajuda especializada ou levemos a criança a um centro médico para avaliação. Recordar-se-á que na entrada sobre "primeiros socorros para...

19 - Fev - 2022

Alergias na idade pediátrica

O que é uma alergia? A alergia é um mecanismo de defesa do organismo contra uma substância que o nosso sistema imunitário reconhece como estranha. Estas substâncias podem ser alimentos, medicamentos, inaladores, substâncias de contacto. Um alergénio é qualquer substância capaz de desencadear...

12 - Fev - 2022

Baby- Led- Weaning, e você, está disposta a isso?

A prática do Baby-Led-Weaning (BLW), ou alimentação regulada pelo bebé, tornou-se generalizada nos últimos anos e, longe de ser uma moda, oferece muitos benefícios tanto para o bebé como para a família. BLW é um método de introdução de alimentação complementar, no qual o bebé pode levar a...

25 - Jan - 2022

O início da alimentação complementar… tire as suas dúvidas!

O momento para começar a introduzir alimentos, em geral, deixa os pais muito entusiasmados, é um dos momentos especiais em que vemos como os nossos bebés evoluem, mas também pode gerar um mar de dúvidas... vamos ao que importa! Quando posso começar a oferecer-lhe comida? O ideal é começar por...

22 - Jan - 2022

Primeros socorros, em menores de um ano.

Os primeiros socorros são um conjunto de ferramentas que nos permitem atuar em determinadas situações e oferecer os primeiros socorros, até que, em caso de necessidade, chegue ajuda especializada ou mesmo que levemos a criança a um centro clínico para que a avaliem. Nos últimos anos,...

8 - Jan - 2022

Dermatite atópica. Mantemo-la afastada?

A dermatite atópica é uma doença inflamatória da pele, que afeta cerca de 15 a 20% da população infantil em Espanha. Metade dos casos são diagnosticados no primeiro ano de vida. Dados que não passam despercebidos, não é? Trata-se de uma doença crónica da pele, cujo principal sintoma é a...

1 - Jan - 2022

Vacinação do COVID e crianças, ainda tem dúvidas?

Trago-vos uma conversa que pode acontecer em qualquer encontro de pais: – Vais vacinar o teu filho/a? - Eu não tive dúvidas em vacinar-me, mas a verdade é que não estou nada decidida a vacinar o meu filho… Esta conversa não vos é estranha? Neste momento é muito comum ouvi-la em parques, à saída...

29 - Dez - 2021

A importância de comunicar através da pele

Sabias que o toque é o primeiro sentido a desenvolver-se dentro do útero, e o últimoa desaparecer antes de morrer? E que a pele é o maior órgão do nosso corpo? Tendo em conta ambas as coisas, já podemos ter a ideia da importância da comunicação através da pele e do toque. A nossa pele é a...

26 - Dez - 2021

Os segundos 9 meses

Já ouviu falar do termo "exterogestação"? Exterogestação, traduz-se literalmente como gestação externa, fora do útero da mãe. A espécie humana nasce entre 37 e 42 semanas, no que é considerado um nascimento a termo, no entanto, se nos compararmos com outras espécies animais, nascemos muito...

Abrir chat
👩 ¿Necesitas ayuda?
Nursicare responde
¡Hola! 👋
Déjanos tu mensaje y una experta en lactancia te responderá lo antes posible.
0
CARRITO
  • No products in the cart.